miércoles, 31 de diciembre de 2014

2011 - PRÊMIO MTV - 17° Video Music Brasil [VMB]





Realizado no Estudios Quanta, na Vila Leopoldina, no dia 20 de outubro de 2011, data que comemora os 21 anos da MTV no Brasil.

Apresentador (a): Marcelo Adnet
Web Apresentador (a): Bento Ribeiro
Local: Estúdios Quanta
Destaque: Emicida
Tema: “A música não pára!”

O disco do Criolo, Nó Na Orelha, foi o grande vencedor da noite. O rapper levou nas categorias Revelação, Disco do Ano e Música do Ano com "Não Existe Amor em SP", que o Criolo cantou em um dueto sensacional com Caetano Veloso.










"Não Existe Amor em SP", virou tema e espécie de hino poético-melancólico sobre a solidão na capital paulista. 

"É uma grande canção. 'Sampa' é sobre Sampa. 'Não Existe Amor', como 'Ronda', do [Paulo] Vanzolini, é Sampa. Não é só porque são canções feitas por paulistas,é que são as palavras e os sons vindo de dentro. Paulistas também podem escrever 'Sampas', mas quase ninguém pode escrever coisas como 'Ronda' ou 'Não Existe Amor'", analisa Caetano. 

"Ele é um gênio da música mundial. É uma honra saber que olhou para o meu

trabalho. Custo a acreditar que isso está acontecendo comigo", diz Criolo sobre
Caetano.



NÃO EXISTE AMOR EM SP 
Letra y música: Criolo



Não existe amor em SP

Um labirinto místico

Onde os grafites gritam

Não dá pra descrever
Numa linda frase
De um postal tão doce
Cuidado com doce
São Paulo é um buquê
Buquês são flores mortas
Num lindo arranjo
Arranjo lindo feito pra você

Não existe amor em SP
Os bares estão cheios de almas tão vazias
A ganância vibra, a vaidade excita
Devolva minha vida e morra afogada em seu próprio mar de fel
Aqui ninguém vai pro céu

Não precisa morrer pra ver Deus
Não precisa sofrer pra saber o que é melhor pra você
Encontro tuas nuvens em cada escombro, em cada esquina
Me dê um gole de vida
Não precisa morrer pra ver Deus
 





2004 - PRÊMIO MTV - 10° Video Music Brasil [VMB]




O Video Music Brasil 2004 foi a décima edição da premiação. 
Ocorrida no dia 5 de outubro de 2004, foi apresentada pelo ator Selton Mello. 
A festa do evento aconteceu em uma estrutura especialmente montada no Sambódromo do Anhembi.
 
Encontros inusitados: 
Sepultura com Nação Zumbi,
João Barone e LanLan cantando Kaiowas e 
Caetano Veloso e David Byrne cantando (Nothing But) Flowers.
Byrne foi o primeiro artista internacional a tocar no palco do VMB e presenciou um dos momentos históricos do prêmio da MTV, quando Caetano Veloso parou o show e gritou: “MTV, vamos botar essa porra pra funcionar”.










 
 
 
 
 
 










 São Paulo, 06/10/2004 - "Foi chato, mas não me irritei. Eu ouvia o retorno da técnica, não o do palco. Só dei um ultimato", disse Caetano depois da confusão.


 
São Paulo, 06/10/2004 - Caetano Veloso estava sorridente depois da premiação.



miércoles, 24 de diciembre de 2014

1996 - CAETANO VELOSO by GUIDO HARARI





Wall Of Sound Gallery - Alba, Italia


Venecia, 1996



27/7/1997 - San Francisco, EE. UU. -  Foto: Richard Brackett

"Guido is different from any other photographer. He does not like to schedule a photo session, or maybe yes, but it is always there, present, and 'Do you mind if I ask you a picture?' (Laurie Anderson)

"What Guido capture in his portraits, to me, and certainly in those of Laurie (Anderson), are generally ignored by other photographers, for various reasons" (Lou Reed)



 



Guido Harari, italiano nacido en 1952 en El Cairo, desde 1971, ha fotografiado a los grandes mitos de la música contemporánea.

Para festejar cuarenta años de actividad, inauguró en el año 2012, un espacio enteramente dedicado a la fotografía musical, Wall Of Sound Gallery.

Entre los artistas retratados: Fabrizio De Andrè, Laurie Anderson, Claudio Baglioni, Jeff Buckley, Kate Bush, Leonard Cohen, Paolo Conte, David Crosby, Pino Daniele, Fabrizio De André, Dire Straits, Bob Dylan, Peter Gabriel, B.B. King, Mia Martini, Paul McCartney, Joni Mitchell, Gianna Nannini, Michael Nyman, Lou Reed, Vasco Rossi, Simple Minds, David Sylvian, Roberto Vecchioni, Caetano Veloso, Tom Waits, Frank Zappa, Zucchero.






"Cuando fotografié a Caetano Veloso -previo a un concierto- (*), me acordé del visionario fotógrafo Art Kane (1925/1995), de la imagen de la izquierda y de la técnica de sandwiching o sobreimpresión, popularizada por el en los años sesenta -cuando no había Photoshop-, dos imágenes que podían combinarse de cualquier forma" (Guido Harari, 3/7/2014)



(*) 1996. Caetano Veloso in concerto (Fina Estampa, Italia).






- Catálogo de la muestra en Milán.
19/2 al 23/4/2003.

HARARI, Guido. Strange Angels. Edizioni Nuages, Torre Avogadro Galeria Civica Lumezzane. 80 p. 2003.

Desde la tapa, encontramos a Tom Waits, Laurie Anderson, Lou Reed, y en sus páginas, Joni Mitchell, Skunk Anansie, Paolo Conte, Caetano Veloso, Frank Zappa, Philip Glas, Compay Segundo, Giorgio Gaber, James Taylor, Ute Lemper, Jan Garbarek, Simple Minds, Gianna Nannini, Ligabue, Fabrizio De André,Vinicio Capossela, Zucchero, John Lee Hooker, Vasco Rossi, Bob Marley, Elvis Costello, Angélique Kidjo, Robbie Robertson, Leonard Cohen, Brian Eno, Patti Smith, Goran Bregovic, Michael Nyman, Peter Gabriel, Noa, Carmen Consoli, Ennio Morricone, Jeff Buckle, entre otros. 





- Catálogo de la muestra WALL OF SOUND, sobre los muros de Monforte D'Alba.
24/6 al 28/10/2007.

 
HARARI, Guido. Wall of Sound - the music photography of Guido Harari. HRR Edizioni e Monfortearte. 2007.


Laurie Anderson, Antony, Jeff Buckley, Kate Bush, Vinicio Capossela, Leonard Cohen, Paolo Conte, David Crosby, Fabrizio De André, Willy Deville, Cristina Donà, Bob Dylan, Brian Eno, Ibrahim Ferrer, Ivano Fossati, Bill Frisell, Giorgio Gaber, Jan Garbarek, Gilberto Gil, Trilok Gurtu, B.B. King, John Lee Hooker, Enzo Jannacci, Joan As Police Woman, Ute Lemper, Bob Marley, Pat Metheny, Joni Mitchell, Ennio Morricone, Gianna Nannini, Youssou N’Dour, Noa, Lou Reed, Robbie Robertson, Jimmy Scott, Compay Segundo, Wayne Shorter con Herbie Hancock, Patti Smith, Caetano Veloso, Tom Waits, Steve Winwood, Robert Wyatt, Frank Zappa, Joe Zawinul y John Zorn.





 







GIRA EUROPEA 1996 - Show "Fina Estampa"







 
12/10/96 - Turín




19 ottobre 1996.

Il cantautore in concerto questa sera e domani sul palco del teatro Smeraldo

La voce dell' uomo di Bahia

Caetano Veloso, suoni e parole sui ritmi elettrizzanti del Brasile

Franchini Vittorio

"Sono una star per caso, un cantante improvvisato, i miei interessi erano diversi, scrivevo, pensavo al cinema, ho fatto anche la regia di un film, poi il clima di casa, mia madre Dona Cano che cantava tutto il giorno, mia sorella Maria Bethania pure, gli amici, tre... " racconta Caetano Emanuel Viana Teles Veloso, nato il 7 agosto del ' 42 a Santo Amaro, nei pressi di Bahia, ora cantautore fra i piu' popolari della musica brasiliana.

Continua: "Sono stato fin da ragazzo un cineamatore sfegatato. Conoscevo a memoria i dialoghi de "Le notti di Cabiria" ma quando vidi "La strada", per la prima volta piansi. Un altro shock me lo ha dato il primo disco di bossanova che ho ascoltato: "Chega de saudade" di Jobim. Cantava Joao Gilberto.Quel disco e' diventato come una droga".

Oggi e domani, Caetano Veloso e' allo Smeraldo per due concerti (ore 21; biglietti 65.50 mila piu' 5 mila di prevendita, e 40 mila lire, piu' 4 mila di prevendita) con un gruppo che fa capo a un eccellente musicista, il violoncellista Jacques Morelbaum.

Accorreranno ad ascoltarlo non solo gli appassionati di samba, ma anche gli amanti del jazz, perche' nelle sue canzoni c' e' sempre un feeling jazzistico. Dice ancora: "Ascoltavo i dischi della Fitzgerald, ero tutto orecchi per Jimmy Giuffre' , adoravo Monk, poi ho scoperto Chet Baker, una sorta di Joao Gilberto americano. Ma e' stato l' incontro con Gilberto Gill a determinare la mia carriera: lui suona la chitarra come nessun altro ed io ho passato ore ed ore a rubarne i segreti. Infine Gal Costa. Con loro e con mia sorella, Maria Bethania, nel ' 64, l' anno del golpe militare in Brasile, abbiamo cominciato a fare concerti e siamo finiti anche in prigione: le nostre canzoni apparivano troppo libertarie al regime.

Ma il cinema esercitava ancora su di me una suggestione potente: era li' che volevo arrivare. Il destino ha voluto diversamente e oggi sono felice di essere un cantante. E c' e' stata anche la parentesi del tropicalismo che ci ha "gasato": era un movimento di provocazione "Alegria, alegria" il nostro inno di battaglia". "Proibido proibir", canzone che si riferiva al maggio francese appena esploso, e' stato il manifesto politico che ha spinto il governo militare del Brasile a mandare in esilio Caetano e Gill. Ma andarsene era difficile, senza soldi, cosi' le stesse autorita' militari, paradossalmente, avevano organizzato un concerto a San Salvador per raccogliere i fondi necessari. Finito lo spettacolo, Caetano e Gill erano stati prelevati dalla polizia e portati subito all' aeroporto. Primo scalo Lisbona. Poi Parigi, Londra, l' Europa. L' esilio termina nel ' 72.

Caetano torna in patria con nuove canzoni, colme di nostalgia come la splendida "Triste Bahia". Molti vedono in lui un possibile leader politico contro la dittatura militare, ma Caetano non ha velleita' barricadere. Ritorna al teatro, ai concerti, alle canzoni, percorre tutto il Brasile, sempre piu' ammirato. A 37 anni, malgrado il successo, non si sente appagato, vuole farsi conoscere nel mondo, tornare al cinema, tornare a scrivere.

Nel 1979 e' per la prima volta al Sistina di Roma, invitato da Franco Fontana: il suo spettacolo e' un successo immediato. Da allora e' tornato piu' volte in Italia, riscoperto due anni fa da Umbria Jazz. Ed ora e' allo Smeraldo con questo programma: "O samba e o tango", "Pecado", "Lamento boricano", "Capullito de aleli", "Un vestido ay un amor", "Fina estampa", "Cucurucucu Paloma", "Vuelvo al sur", "Haiti", "Mano a mano", "Labios que beijei", "Voce esteve com meu bem". "Chega de saudade", "Coracao", "Contigo en la distancia", "Rumba azul", e probabilmente non mancheranno anche "Piove" e "Luna rossa".



19 y 20 de octubre de 1996 - Teatro Smeraldo, Milán
 



 Fotos: Roberto Ugolini





1996 - CAETANO VELOSO in concerto
Teatro Augusteo - Nápoles





Londres
 
Paris

31/10/1996 - Bruselas

Lisboa   /   Sevilla


54 / ABC

ABC DE SEVILLA MARTES 19-11-96

Crítica de música

Versátil Veloso

Caetano Veloso. Domingo 17 en el Teatro

de la Maestranza. Caetano Veloso (voz y

guitarra), Luiz Brasil (guitarra), Jaques

Morelembaum (chelo),  Zeca Assumpcao

(contrabajo) Marcelo Costa (batería).

Blas FERNÁNDEZ



Teatro lleno de la primera fila al gallinero; público fervoroso y entregado de antemano.No era para menos, a Veloso conocerle es amarle. Al margen de la lógica devoción del respetable, ganada a pulso de discografía intachable, de canciones de esas que se enredan en el corazón, la incógnita sobre qué repertorio presentaría quedaba contestada con la respuesta esperada: el grueso del concierto giró en torno a sus dos últimos elepés, “Fina Estampa” y “Fina Estampa Ao Vivo”, aquellos desde losque el bahiano se lanzó en majestuosa pirueta a buscar por el rico mar de la música popular en español.



Comenta Veloso, jocoso, que se trata de “estar cerca del otro, de mirar desde su punto de vista, aunque para la compañía grabadora probablemente se trate de ampliar el mercado”. La inmersión rescata del fondo de la memoria colectiva un largo número de piezas adormecidas en el inconsciente, y que el cantante, pasadas por el filtro mágico de su carisma, convierte en propias. Pueden ser tangos, milongas, boleros, chachachás o rancheras… Puede ser el “Lamento Borincano” de Rafael Hernández o el “Cucurrucucú Paloma”, la “Tonada de Luna Llena” o “Fina Estampa”, todo lo que sale de su prodigiosa garganta acaba siendo estrictamente personal.



Hay algo de suma importancia en estas relecturas de los clásicos que educaron sentimentalmente a las generaciones latinoamericanas de los cuarenta y cincuenta: Veloso es un brillante ejemplo de que la música, a pesar de que algunos se empeñen en ignorarlo, no está hecha de compartimentos estancos; la música hilvana y engarza épocas y movimientos, países y continentes. La música es un territorio que mantiene abiertas sus fronteras para aquel que quiera cruzarlas, y él las ha traspasado siempre. Como prueba, baste recordar que antes de “Fina Estampa” editó, junto a Gilberto Gil, “Tropicália 2”, uno de los más hermosos e inteligentes discos pop del 94, donde cabía desde rap a Jimi Hendrix.



Precisamente con su canción “Haití”, rompería Veloso la dinámica del concierto para introducir, imperdonable si lo hubiera omitido, clásicos de su autoría y en su idioma: “Queixa”, “Sampa”, “O Leãozinho”, “Qualquer coisa”… También para rescatar con aires de tributo, uno a uno, esa triada fundamental en el desarrollo de lo que hoy conocemos como MPB que representaron Orlando Silva, João Gilberto y Antonio Carlos Jobim. No olvidó tampoco a Carmen Miranda: abrió con ”O samba e o tango” y casi terminó con ella, pero el público no se conformó con un solo bis y al final fue “Sampa” el parco colofón (¡queríamos más!)



Arropado por una banda impecable –inútil destacar a ninguno porque todos destacaban, y cada cual lo demostró-, Veloso nos regaló noventa y cinco minutos que pasaron volando. Un abrir y cerrar de ojos, de ensoñación compartida, testimonio entusiasmado de la versatilidad de una música que, con la misma facilidad, hace futuro o se mira en el pasado reconociendo raíces.



 
1996 - Barcelona



●●●●●●   ●●●●●●

















The group includes longtime Jobim collaborator and cellist Jaques Morelenbaum, guitarist Luiz Brasil, Zeca Assumpção on bass, and Marcelo Costa on percussion/drums, all seated in front of a reproduction of a Diego Rivera mural, Panamerican Unity, depicting artisans and musicians. The original fresco is on display at San Francisco's City College, so it is fitting that the U.S. tour ends in California before heading to Japan. The show definitely reaffirms Caetano's love affair with the Spanish-speaking world, yet the repertoire includes Gilberto Gil's "Soy Loco por Ti, America" as well as enough of his own favorites to satisfy most die-hard Caetano fans.


GIRA AMERICANA 1997 - Show "Fina Estampa"


June 16 - Jackie Gleason Theatre, Miami Beach
June 17 - Caribe Hilton Hotel, San Juan/Puerto Rico
June 21 - Avery Fisher Hall, New York JVC Jazz Festival
June 22 & 23 - Jordan Hall, Boston
June 25 - Pantages Theatre, Los Angeles
June 27 - Masonic Auditorium, San Francisco







São Paulo, segunda-feira, 23 de junho de 1997

Caetano rebola e imita Carmem Miranda

CARLOS CALADO
ENVIADO ESPECIAL A NOVA YORK

Quase 2.500 pessoas lotaram o imponente Avery Fisher Hall, anteontem à noite, em Nova York, para ver o concerto do cantor e compositor baiano Caetano Veloso, pelo JVC Jazz Festival.
Caetano não resistiu à oportunidade. Quebrando o tom sóbrio e camerístico de seu show "Fina Estampa", saiu do palco rebolando e imitando os trejeitos de Carmem Miranda, ao cantar "Rumba Azul" (do cubano Armando Orefiche), já como bis.
 

Muito à vontade, sem qualquer traço do nervosismo que marcou as primeiras exibições desse show no Brasil, Caetano conversou e brincou muito com a platéia, evidentemente dominada por brasileiros radicados nos Estados Unidos.
 

No camarim, não foi diferente. Ao lado dos músicos David Byrne e Arto Lindsay, as atrizes Sonia Braga e Amy Irving, o cineasta Bruno Barreto, a cantora Bebel Gilberto, o diretor de teatro Gerald Thomas e o produtor Nelson Motta foram cumprimentar Caetano, após a apresentação.
 

Com pequenas modificações no repertório, o show exibido em Nova York foi basicamente o mesmo apresentado no Brasil, sem o naipe de cordas incluído na gravação do CD "Fina Estampa ao Vivo".
 

Caetano abriu a noite com a bilíngue "O Samba e o Tango" (de Amado Regis), canção-síntese do show, que propõe uma releitura sentimental da canção latina sob o ponto de vista da bossa nova.

Língua portuguesa
Com um respeito incomum nessas ocasiões, a ala brazuca da platéia escutou com muita atenção clássicos latinos, como "Capullito de Aleli" (Rafael Hernández), "Cucurrucucú Paloma" (Tomás Méndez) e "Contigo en la Distancia" (Portillo de La Luz).
 

Mas explodiu em gritos e aplausos ao ouvir o verso inicial do rap "Haiti" (Caetano e Gilberto Gil), primeira canção do show cantada inteiramente em português.
 

"Eu amo a língua portuguesa e cada uma de suas palavras", disse Caetano, em inglês, seguido por uma nova explosão de palmas dos brasileiros.
 

Foi em inglês também que o cantor introduziu a valsa "Lábios que Beijei" (Álvaro Nunes e Leonel Azevedo) e o samba "Você Esteve com Meu Bem" (João Gilberto e Antonio Martins) -canções escolhidas para representar a influência do clássico cantor Orlando Silva sobre o papa da bossa.
 

Saindo do palco no melhor estilo popstar, sugerindo os requebros de Carmem Miranda, Caetano deixou um recado implícito para os norte-americanos.
 

Quem ainda associa a música brasileira ao exotismo da "pequena notável" está completamente por fora.




June 21/1997 - Avery Fisher Hall, New York JVC Jazz Festival

 
 
 




 



June 25/1997 - Pantages Theatre, Los Angeles

A Tribute to Classic Panamerican Songs
by Brazil's Musica Genius

The reminiscences of CAETANO VELOSO'S childhood in Bahia are the basis of the repertoire of this album and show "FINA ESTAMPA", a sophisticated collection of reworkings of classic Latin American songs. Tangos, merengues, rhumba and more make "FINA ESTAMPA" one of the most important works not only in Caetano's career but also in the history of Brazilian popular music (in spite of the fact it is performed in Spanish). Like an archaeologist, Caetano polishes and presents the public with top Spanish -American and his own Brazilian hits.
 
CAETANO VELOSO has toured throughout Brazil with this show, as well as in several countries in South and Central America. He also played Madrid, Spain and the Umbria Jazz Festival in Perugia, Italy in July of 95. The record won rave reviews and several prizes, and gave Caetano his first platinum album in a foreign country (Argentina) as well as a special medal - the highest decoration given by the Argentine government - for the "wonderful work that united the people of Latin America in Brotherhood", presented by the ambassador of Argentina in Brazil. 

 

27/7/1997 - San Francisco, EE. UU. -  Foto: Richard Brackett








Julho/97 - Japón