sábado, 27 de agosto de 2011

1965 - ARENA CANTA BAHIA













El espectáculo musical Arena canta Bahia, se estrenó en San Pablo (Teatro Brasileiro de Comedia, TBC) en setiembre de 1965.
Con textos y dirección de Augusto Boal (1931/2009)
Dirección Musical: Caetano Veloso, Gilberto Gil y Jards Macalé
Supervisión: Carlos Castilho
Elenco: Maria Bethânia, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Maria da Graça (Gal Costa), Tom Zé y Piti.
Guitarra: Jards Macalé
Batería: Roberto Molim
Flauta: Benê Dantas (integrante del Ginga Trio)




“… em 65, participei com entusiasmo do Arena canta Bahia, pois era estimulante observar a mestria de Boal em compor desenhos moventes com nossos corpos, e era uma felicidade estar ao lado de Bethânia, Gil, Gal, Tom Zé e Piti, mas disse a todos eles - e repeti inúmeras vezes para mim mesmo - que devia haver algo fundamentalmente errado em se montar um musical sobre a Bahia em que não havia lugar para uma canção de Caymmi. As canções escolhidas tinham em comum uma caracterização nordestina que as afastava do estilo propriamente baiano - da graça, do gosto, da visão de mundo que vige na região do recôncavo e na Cidade do Salvador. Mas o Nordeste do "Carcará" era já marca da persona pública de Bethânia e da música de protesto em geral. Eu, no entanto, sonhava a nossa intervenção na música popular brasileira radicalmente vinculada à postura de João Gilberto para quem Caymmi era o gênio da raça…” (Caetano Veloso en Verdade Tropical, capítulo Bethânia e Ray Charles, páginas 85-86).



Programa del espectáculo, 14 páginas



TBC

SETEMBRO - 1965

SOCIEDADE BRASILEIRA DE COMÉDIA

PRESIDENTE PERPÉTUO E BENFEITOR: FRANCO ZAMPARI

VICE-PRESIDENTE: (EM EXERCÍCIO) FERNANDO SOARES

DIRETOR SECRETÁRIO: BERNARDINO NUNES BARROS

CONSELHO DELIBERATIVO:

JOÃO ADELINO DE ALMEIDA PRADO

RENÉ THIOLLIER

JOSÉ DE QUEIROZ MATTOSO

MODESTO S. B. CARVALHOSA

MARIA CAMILLA CARDOSO

SÉRGIO W. BERNARDES

DIRETOR SUPERINTENDENTE: HUGO SCHLESINGER

DIRETOR GERAL: ARY PRADO MARCONDES

DIRETOR TESOUREIRO: GUILHERME VITALE

DIRETOR TEATRO INFANTIL: ALESSANDRO MEMMO


ARENA CANTA BAHIA


FICHA TÉCNICA

DIREÇÃO E TEXTO DE AUGUSTO BOAL

DIREÇÃO MUSICAL DE CAETANO VELOSO E GILBERTO GIL

SUPERVISÃO MUSICAL DE CARLOS CASTILHO


com:

MARIA BETHÂNIA

MARIA DA GRAÇA

TOMZÉ

PITI

CAETANO VELOSO

GILBERTO GIL


ABSTRAÇÕES E FALTA D'AGUA

O BRASIL É O PAÍS DO FUTURO, A BAHIA A TERRA DA FELICIDADE, O RIO A CIDADE MARAVILHOSA E SÃO PAULO, CERTAMENTE NÃO PODE PARAR.

MAS SÃO PAULO, RIO, BAHIA E O BRASIL SÃO ABSTRAÇÕES. SÃO PAULO NÃO PARA, MAS OS MILHARES DE TRABALHADORES PAULISTAS ESTÃO PARANDO CADA VEZ MAIS DIA A DIA; A BAHIA É MUITO FELIZ, MAS VERIFIQUE-SE  O ÍNDICE DE MORTALIDADE INFANTIL E O ANALFABETISMO DÊSSE ESTADO; O RIO TEM O CORCOVADO, MAS SOB OS BRAÇOS QUANTA CARÊNCIA DE ÁGUA, TRIGO, CARNE, HABITAÇÃO E ESGÔTO? E O BRASIL? WELL...
 
A MÚSICA POPULAR BRASILEIRA QUANTO AO CONTEÚDO, CAMINHA EM DUAS DIREÇÕES: UMA, A DE EXALTAÇÃO DE PALAVRAS ABSTRATAS. E A OUTRA, O QUE REALMENTE IMPORTA.

A REALIDADE IMEDIATA SE APRESENTA CAÓTICA E A ELA OS COMPOSITORES DESTA SEGUNDA LINHA REAGEM CAÒTICAMENTE, SEGUNDO O INSTANTE.

NO BREVE DE UMA CANÇÃO, NÃO É POSSÍVEL CONDENSAR A ESSÊNCIA DE UMA VISÃO REAL, A ESSÊNCIA DE UM REVIDE. OS INSTANTES SE CONTRADIZEM E TAMBÉM AS CANÇÕES SE COMPLETAM, CONTRADIZENDO-SE.
 

O GÊNERO "ARENA CANTA..."

AS IDÉIAS FUNDAMENTAIS A SEREM TRANSMITIDAS SÓ EMERGEM NA VISÃO PANORÂMICA E NÃO EM CERTAS CENAS MAIS "CONTEUDÍSTICAS".


A TERCEIRA PARTE DO PRIMEIRO ATO, QUE VAI EM DIANTE A PARTIR DA "CORAGEM PRA SUPORTAR", CONTA A HISTÓRIA DE UMA RETIRADA: O HERÓI MUDA DE NOME TRÊS VÊZES: É ZECA, JUSTINO E FAMANAZ. ISTO É CÁOS IMPRESSIONISTA, MAS NÃO É IMPRESSIONISMO NEM CÁOS O FATO DE QUE "DO JEITO QUE ANDA A VIDA A ESPERANÇA DE LUTAR AINDA SE VÊ".

 MAIS UMA VEZ USAMOS O MANIQUEISMO COMO FORMA PERFEITAMENTE VALIDA DE EXPRESSÃO ESTÉTICA. QUEM É BOM, É BOM INTEIRO, E QUEM É MAU DEUS ME PERDOE!

MAIS UMA VEZ (COMO ANTES NOS NOSSOS ESPETÁCULOS DE "OPINIÃO" E "ARENA CANTA ZUMBÍ") USAMOS PROCESSOS QUE PODERIAM SER FÀCILMENTE ENQUADRADOS NA CHAVE GERAL DO "SOUND AND FURY". SIM, É UM CAMINHO QUE ACREDITAMOS CORRETO. CONTINUAMOS OS MESMOS DE SEMPRE: AINDA NÃO APRENDEMOS A TEMER OS PRIMARISMOS E AS SIMPLIFICAÇÕES. PREOCUPAMO-NOS APENAS EM APRENDER A UTILIZÁ-LOS DE FORMA CADA VEZ MAIS EFICAZ E BELA, SE ME PERDOAM A PALAVRA. E TÃO SÒMENTE QUANDO ÊSSES PROCESSOS SIMPLES E PRIMÁRIOS SE REVELAREM SUPERIORES NA TRANSMISSÃO DAS IDÉIAS QUE PROPOMOS.

JULGUEM AS NOSSAS IDÉIAS, MAS, ANTES DE FAZÊ-LO REVELEM AS PRÓPRIAS.


ARENA CANTA BAHIA





O TEATRO DE ARENA AGRADECE A COLABORAÇÃO DAS SEGUINTES PESSOAS E ENTIDADES

 - SÃO PAULO:

VIAÇÃO AÉREA RIO GRANDE DO SUL

 - BAHIA:

SUPERINTENDÊNCIA DE TURISMO

RÁDIO CRUZEIRO

TEATRO VILA VELHA

GALERIA BAZARTE (EDY)

SANI FILMES (OSCAR E BENEDITO)

IMPRENSA OFICIAL (GERMANO MACHADO)

EDITÔRA PROGRESSO

ACADEMIA BAHIANA DE CAPOEIRA (GATO PRÊTO)

HOTEL PARAÍSO

HOTEL CLOC

ANTÔNIO TOURINHO

MÁRIO CRAVO

JORGE AMADO

MIRABEAU SAMPAIO E ESPÔSA

CARLOS GUIMARÃES DA VEIGA

GILBERTO GUIMARÃES DA VEIGA

GERALDO LEMOS

ORLANDO SENNA

REX SCHINDLER

NILDA SPENCER

REGI CATARINO

GUMERCINDO DA ROCHA DÓREA

SILVIO LOBATO

JOSÉ AUGUSTO AZEVEDO


 - - - - - - - - - - - - - - -




Pré-estréia: Quarta-feira, 8 de setiembre de 1965.

Domingo 19/9/1965 
Folha de S.Paulo – Ilustrada





TEATRO

“Arena Canta Bahia” 

PAULO MENDONÇA





Depois do êxito brilhante de “Arena Conta Zumbi”, Augusto Boal liga o seu nome de autor e director a outro empreendimento ainda mais marcadamente musical: “Arena Canta Bahia”, atual cartaz do Teatro Brasileiro de Comedia. Desta feita, o espetáculo é praticamente só música, entanto o vago desenvolvimento dramático que pude notar implícito na propia dialética dos números de canto. Aliás apenas no segundo “ato”, talvez este termo seja, no caso, impropio: é que se percebe um esboço de estrutura, uma certa orden interior, uma sequencia deliberada na apresentacão dos diferentes temas. Na primeira parte não há, por assim dizer, nenhuma diferença entre o que se viu no palco do TBC e um “show” de boate.



E chegamos a um primeiro problema. Ou muito me engano, de vez que não sou especialista no assunto, ou um “show” depende essencialmente da qualidade individual dos intérpretes. Tratando-se de uma sucessão de “momentos”, ora um, ora outro artista, solicitando a nossa atenção –o rendimento de cada qual tem de ser máximo. E havendo varios participantes, o equilibrio de forças torna-se imperativo, considerando-se a impressão devastadora sobre os mais fracos de comparações com os melhores em tamanha proximidade no tempo e no espaço.



Antonio Boal contava com um grande trunfo: Maria Bethânia. E embora procurando tirar dessa personalidade excepcionalmente dotada, o maior partido possível, teve o cuidado de não colocar toda a encenação en função dela.

Pelo contrario, tratou de diluí-la no conjunto, dando democráticamente oportunidades equivalentes a todos. Acontece que, na inorganicidade da primeira parte, somente o magnetismo individual dos intérpretes poderia situar “Arena Canta Bahia” num nível alto, ainda que em termos de “show”. E foi aí que o carro pegou: enquadrada sempre em esquemas coletivos, Maria Bethânia não deu nem metade do que poderia dar. E esses esquemas, desprovidos de um fio condutor sólido, se dispersaram ao acaso de efeitos superficialmente procurados.



Já no segundo ato o quadro mudou bastante. O tratamento cénico continuo uma mesma linha, digamos, “coletiva” (com grande cuidado formal nas marcações), mas um elemento novo manifestou-se, amarrando melhor as coisas umas às outras: a infra-estrutura de uma quase narrativa dramática, o desdobramento de uma certa “argumentação”, contada nas cançoes e nos pequenos textos intermediarios. Assim, “Arena Canta Bahia” teve sua dimensão polémica e sua vitalidade teatral consideravelmente aumentadas.

Maria Bethânia não é somente uma grande cantora, com voz de impresionante dramaticidade. É tambem atriz com aquela qualidade de presenca e aquele poder de intensa comunicação que marcam as criaturas visceralmente de palco. O simples fato de figurar neste espetáculo já basta para nos estimular o interesse e justificar os aplausos entusiamados que recebe do público, ao fechar-se a cortina.


- - - - - - - - - - - - - - -



No obstante la escasa repercusión del espectáculo, varios de sus temas fueron grabados por Maria Bethânia, Gilberto Gil, Tom Zé y Piti en la grabadora RCA.





 
1965 - ARENA CANTA BAHIA
A.1. VIRAMUNDO (Gilberto Gil/José Carlos Capinam) Maria Bethânia
A.2. SÃO BENEDITO (Tom Zé) Tom Zé
B.1. RODA (Gilberto Gil/João Augusto) Gilberto Gil
B.2. ENREDO (Piti/João Augusto) Piti
RCA Victor EP nº LCD 1135
Arreglos y dirección: Carlos Castilho



 
1965 - GILBERTO GIL
A. RODA (Gilberto Gil/João Augusto)
B. PROCISSÃO (Gilberto Gil) / Vinhetas: "Hino de São José"
De la pieza Arena canta Bahia
RCA Victor S 7” nº LC-6169
Arreglos y dirección: Carlos Castilho




 
1965 - TOM ZÉ
A. SÃO BENEDITO (Tom Zé)
De la pieza Arena canta Bahia
B. MARIA DO COLÉGIO DA BAHIA (Tom Zé)
RCA Victor S 7” nº LC–6176




 

 
1965 - MARIA BETHÂNIA
A. EU VIVO NUM TEMPO DE GUERRA (Edu Lobo/Gianfrancesco Guarnieri)
De la pieza Arena conta Zumbi
B. VIRAMUNDO (Gilberto Gil/José Carlos Capinam)
De la pieza Arena canta Bahia
RCA Victor S 7” nº LC-6177







1965 - PITI
A. ENREDO (Piti/João Augusto)
De la pieza Arena canta Bahia
B. DESPEDIDA (Piti/João Augusto)
RCA Victor S 7” nº LC-6179





VIRAMUNDO
Gilberto Gil/José Carlos Capinam

© Gege Edições Musicais ltda (Brasil e América do Sul) / Preta Music (Resto do mundo)
© BMG Music Publishing Brasil LTDA.

Sou viramundo virado
Nas rondas da maravilha
Cortando a faca e facão
Os desatinos da vida
Gritando para assustar
A coragem da inimiga
Pulando pra não ser preso
Pelas cadeias da intriga
Prefiro ter toda a vida
A vida como inimiga
A ter na morte da vida
Minha sorte decidida

Sou viramundo virado
Pelo mundo do sertão
Mas inda viro este mundo
Em festa, trabalho e pão
Virado será o mundo
E viramundo verão
O virador deste mundo
Astuto, mau e ladrão
Ser virado pelo mundo
Que virou com certidão
Ainda viro este mundo
Em festa, trabalho e pão


RODA
Gilberto Gil/João Augusto

© Gege Edições Musicais ltda (Brasil e América do Sul) / Preta Music (Resto do mundo)
© BMG Music Publishing Brasil LTDA.

Meu povo, preste atenção
Na roda que eu te fiz
Quero mostrar a quem vem
Aquilo que o povo diz
Posso falar, pois eu sei
Eu tiro os outros por mim
Quando almoço, não janto
E quando canto é assim

Agora vou divertir
Agora vou começar
Quero ver quem vai sair
Quero ver quem vai ficar
Não é obrigado a me ouvir
Quem não quiser escutar

Quem tem dinheiro no mundo
Quanto mais tem, quer ganhar
E a gente que não tem nada
Fica pior do que está
Seu moço, tenha vergonha
Acabe a descaração
Deixe o dinheiro do pobre
E roube outro ladrão

Agora vou divertir
Agora vou prosseguir
Quero ver quem vai ficar
Quero ver quem vai sair
Não é obrigado a escutar
Quem não quiser me ouvir

Se morre o rico e o pobre
Enterre o rico e eu
Quero ver quem que separa
O pó do rico do meu
Se lá embaixo há igualdade
Aqui em cima há de haver
Quem quer ser mais do que é
Um dia há de sofrer

Agora vou divertir
Agora vou prosseguir
Quero ver quem vai ficar
Quero ver quem vai sair
Não é obrigado a escutar
Quem não quiser me ouvir

Seu moço, tenha cuidado
Com sua exploração
Se não lhe dou de presente
A sua cova no chão
Quero ver quem vai dizer
Quero ver quem vai mentir
Quero ver quem vai negar
Aquilo que eu disse aqui

Agora vou divertir
Agora vou terminar
Quero ver quem vai sair
Quero ver quem vai ficar
Não é obrigado a me ouvir
Quem não quiser escutar

Agora vou terminar
Agora vou discorrer
Quem sabe tudo e diz logo
Fica sem nada a dizer
Quero ver quem vai voltar
Quero ver quem vai fugir
Quero ver quem vai ficar
Quero ver quem vai trair

Por isso eu fecho essa roda
A roda que eu te fiz
A roda que é do povo
Onde se diz o que diz


PROCISSÃO
Gilberto Gil

© Gege Edições Musicais ltda (Brasil e América do Sul) / Preta Music (Resto do mundo)
© BMG Music Publishing Brasil LTDA.

Olha lá vai passando a procissão
Se arrastando que nem cobra pelo chão
As pessoas que nela vão passando
Acreditam nas coisas lá do céu
As mulheres cantando tiram versos
Os homens escutando tiram o chapéu
Eles vivem penando aqui na terra
Esperando o que Jesus prometeu

E Jesus prometeu vida melhor
Pra quem vive nesse mundo sem amor
Só depois de entregar o corpo ao chão
Só depois de morrer neste sertão
Eu também tô do lado de Jesus
Só que acho que ele se esqueceu
De dizer que na terra a gente tem
De arranjar um jeitinho pra viver

Muita gente se arvora a ser Deus
E promete tanta coisa pro sertão
Que vai dar um vestido pra Maria
E promete um roçado pro João
Entra ano, sai ano, e nada vem
Meu sertão continua ao deus-dará
Mas se existe Jesus no firmamento
Cá na terra isto tem que se acabar


viernes, 26 de agosto de 2011

1966 - BEIRA-MAR


Es la primera composición de Caetano con Gilberto Gil y fue compuesta en 1965.

Inscripta en el I Festival Internacional de la Canción Popular de Rio e interpretada por Maria Bethânia en la segunda ronda eliminatoria el día 23 de octubre de 1966, quedó fuera de la clasificación.
Solamente grabada por Gilberto Gil.


Maria Bethânia, 23/10/1966, Jornal do Brasil










BEIRA-MAR
Música: Gilberto Gil
Letra: Caetano Veloso
© 1965 Musiclave Editora Musical Ltda.

Na terra em que o mar não bate
Não bate o meu coração
O mar onde o céu flutua
Onde morre o sol e a lua
E acaba o caminho do chão

Nasci numa onda verde
Na espuma me batizei
Vim trazido numa rede
Na areia me enterrarei
Na areia me enterrarei

Ou então nasci na palma
Palha da palma no chão
Tenho a alma de água clara
Meu braço espalhado em praia
Meu braço espalhado em praia
E o mar na palma da mão

No cais, na beira do cais
Senti o meu primeiro amor
E no cais que era só cais
Somente mar ao redor
Somente mar ao redor

Mas o mar não é todo mar
Mar que em todo mundo exista
Ou melhor, é o mar do mundo
De um certo ponto de vista
De onde só se avista o mar
E a Ilha de Itaparica

A Bahia é que é o cais
A praia a beira a espuma
E a Bahia só tem uma
Costa clara litoral
Costa clara litoral

É por isso que é o azul
Cor de minha devoção
Não qualquer azul azul
De cualquer céu qualquer dia
O azul de qualquer poesia

De samba tirado em vão
É o azul que a gente fita
No azul do mar da Bahia
É a cor que lá principia
E que habita em meu coração
E que habita em meu coração
E que habita em meu coração






Fue la primera y última participación de Maria Bethânia en un Festival competitivo, a la cual ella se refirió en entrevista para el semanario O Pasquim (nº 11, 5-12 de setiembre de 1969, pág. 8.)



". . .
O Pasquim – Porque você não participa dos festivais?
Bethânia Eu só participei de um, que foi o I Festival Internacional da Canção (FIC), e não suportei. Me irritou porque cantei uma música linda, chamada Beira-Mar, do Caetano e do Gil, uma música muito bonita, não fui vaiada nem nada, fui até aplaudida, naquele tempo não havia vaia, todo mundo adorou, Eliana Pitman era júri...

O Pasquim – Essa é uma crítica construtiva ou destrutiva?
Bethânia
Construtiva pro festival, pra ter mais cuidado. Quando terminou o show, minha música foi desclassificada, estava indo embora assim meio "relax", o Ronaldo Bôscoli, que comandava o festival e na época era meu inimigo...

O Pasquim – E hoje o que ele é seu?
Bethânia
Ah, é meu amigo íntimo, de cama e mesa. Mas o Ronaldo virou-se para o grupo que estava comigo e comentou: desta vez os baianos entraram bem. Disse aquilo com um certo ódio, aquilo me irritou. Sabe o que o júri falou com o Gil e o Caetano? Que a música realmente era linda, podia ganhar. Que eles todos votaram, deram dez de cara, foi muito defendida, o arranjo do Luizinho Eça era maravilhoso, mas tinha uma coisa que eles não gostaram: a letra dizia que não havia um mar mais bonito que o da Bahia, mais azul do que o da Bahia. Então, eles disseram pra mim, pro Caetano o seguinte: vocês conhecem Cabo Frio, como é que vocês falam isso? Então, eu fiquei naquela: como é?

O Pasquim – Mas quem foi que disse isto?
Bethânia
Foi o Menescal. Dando risada, assim muito charmoso, mas ele falou a verdade, não deu nota por causa disso.

O Pasquim – E você nunca mais quis participar de festival por causa disso?
Bethânia
E depois foram acontecendo aquelas vaias, aquela falta de respeito, eu acho uma coisa terrível. Eu não posso entender um Roberto Carlos maravilhoso, um cantor excelente como ele é, um cara tão bacana, tão querido por todo o Brasil, de repente ser vaiado.
. . ."


 
1967 - GILBERTO GIL
6283 8342 / 3:55
Álbum "Louvação"
Philips LP R 765.005 L, A-2.
CD 824 681-2, Track 2.






1994 - GILBERTO GIL
6516 6353 / 4:55
Álbum "Gilberto Gil Unplugged/Acústico"
Gravado Ao Vivo no Estúdio Frame (SP) no dia 18 de janeiro de 1994.
Warner Music LP 995323-1, Track A-4. | CD M995323-2, Track 8. | VHS | WEA DVD 857380935-2, Track 5. (2001).



1997 - GILBERTO GIL
6516 6353 /
Documentário “Tempo Rei”
Direção: Andrucha Waddington/Lula Buarque de Hollanda
Conspiração Filmes/Warner Music Vision VHS 063018632-3, nº 9.


 
2010 - GILBERTO GIL
Voz y guitarra. Demo de 1966 para Arlequim.
Álbum “Retirante”
Discobertas 2 CD’s 7892141640879, CD2, Track 8.